SINCLAPOL

Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná


Facebook SINCLAPOL Twitter SINCLAPOL Filiar-me ao SINCLAPOL
Policial Civil

Trabalho de Papiloscopistas ajuda a elucidar crime em Piên

O trabalho realizado por Policiais Civis Papiloscopistas do Instituto de Identificação do Paraná, de São Mateus do Sul, ajudaram a elucidar a morte do prefeito eleito da cidade de Piên (RMC), José Loir Dreveck, de 52 anos, no dia 14 de dezembro de 2016, antes de tomar posse. O ex-prefeito da cidade, Gilberto Dranka foi preso no dia 31 de janeiro passado, durante uma operação deflagrada pelo COPE, suspeito de encomendar a morte do prefeito eleito de Piên.

Relembrando o caso

O crime ocorreu no dia 14 de dezembro de 2016, quando José Loir Dreveck viajava para Santa Catarina, pela PR-420, em um carro da prefeitura, acompanhado da família, quando foi surpreendido por um motociclista, que atirou contra ele. O prefeito eleito foi atingido na cabeça e encaminhado em estado grave ao Hospital e Maternidade Sagrada Família, em São Bento do Sul, Santa Catarina.

Na época, o delgado responsável pelo caso, descartou a possibilidade de assalto, pois o motociclista que efetuou os disparos não fez qualquer anúncio de roubo, apenas atirou e fugiu. Os Peritos em Papiloscopia lotados na Seção Regional de Identificação do IIPR em São Mateus do Sul foram acionados e compareceram a uma estrada rural da cidade de Piên, periciar uma motocicleta e um capacete abandonados, que poderiam ter sido utilizados no homicídio do prefeito eleito. No Laudo Papiloscópico emitido pela equipe do IIPR, constava que existiam dois fragmentos em condições para confronto, mas nenhum deles foi positivado pelo sistema.

Uma equipe de Peritos do IIPR de Curitiba, responsável pelo confronto dos fragmentos coletados no local de crime, perceberam que os fragmentos em condições eram da palma da mão e não havia no IIPR a coleta da palmar para o confronto. Então, foi entrado em contato com Papiloscopistas de Santa Catarina, para coletarem a palmar de dois suspeitos que estavam custodiados em Itajaí (SC). Os catarinenses encaminharam a coleta palmar para o IIPR, que confirmaram que o fragmento palmar revelado na viseira do capacete, correspondia a de um dos suspeitos, Amilton Padilha.

A Investigação resultou na expedição de 14 mandados judiciais, sendo três de prisão temporária, três de condução coercitiva, que é quando a pessoa é obrigada a prestar depoimento, e oito de busca e apreensão. Entre os detidos, o ex-prefeito de Piên, na Região Metropolitana de Curitiba, Gilberto Dranka. Dranka foi detido em casa. Os policiais o encontraram no forro da residência, onde ele estava escondido. Além dele, foram presos Amilton Padilha, 29 anos, e Orvandir Arias Pedrini, 44. Padilha é suspeito de ter atirado e matado o prefeito eleito, tendo fugido em seguida para a cidade de Balneário Camboriú, em Santa Catarina. Já Pedrini teria sido o intermediário entre o executor e o mandante. A prisão é temporária por 30 dias.

Esse é o trabalho importante dos Policiais Civis, para a sociedade paranaense e brasileira, que é a elucidação dos crimes. Vale salientar o precioso apoio da participação de policiais de outro estado, a qual declinou o desfecho da autoria do caso com louvor. Os Policiais Civis precisam ser valorizados, atuando somente na sua atribuição, que é a investigação, somente assim que poderão atender a sociedade na sua plenitude funcional.